Aug 23, 2007

Bombas Joca Faria Outra manhã em minha vida não olhei pro céu não vi dragões voando. Não te vi nua em minha frente, pássaros voam no céu, mas não os vejo. Aviões explodem nas manhas de agosto. Risca-se o céu em brasa. Cadáveres não se reconhecem. Morro em silencio, devia ter escutado os profetas. Não escutei morro calado em silencio. A corrupção humana é o ápice de nosso egoísmo. Enquanto crianças morrem de fome em nossas periferias. Não te vi nua na praça. Não te vi voando de vassoura. Não te abracei na manhã , morro em silencio. Deixo um testamento. Escrevo mentiras nele. E sorrio para a enfermeira ao morrer. Agora sou cadáver num caixão. Os ratos me esperam no túmulo. Mas estou livre das amarras. Não vi suas pernas numa saia branca, quero sentir o cheiro de sua vagina. Só tenho um real para te dar, vamos fazer amor num fétido banheiro de padaria. Como adolescentes sem dinheiro. Bombas explodem no congresso em Brasília, quem levou a bomba? Quinhentos ladrões morrem, os urubus fogem das carniças de porcos deputados. Bombas bombas bombas na capital do sexo.... Quem vai mudar esta nação? Ficamos em silencio após nosso gozo no banheiro... Saímos a passear pela cidade, pomos nossa bomba no correio...Chega terça ...No congresso..... Vamos embora deste pais, pois o tempo urge... Fazemos amor em Paris...enquanto o sangue rola no que restou do congresso... Fazemos amor enquanto ouvimos o hino nacional... A policia cerca nosso hotel nos rendemos....Separam nos.... Mas nos vemos no tribunal...E assim somos cadáveres ambulantes... João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Aug 13, 2007

Câmara Municipal Sol ao meio dia, acabei de encontrar a Daniella Penellupi na nossa Câmara Municipal. Joca Faria (*) Como todos os artistas desta cidade, sempre os vejo na Câmara, apreciamos a democracia. Estava lá o Déo Lopes e paramos para um dedinho de prosa. Lembrou as formigas que param para trocar idéias. É gente, artista não é tão cigarra quanto o povo imagina. Trabalhamos duro em nossos projetos. Nem sempre ou quase sempre não temos o retorno que esperamos, mas tocamos o barco. Hoje é uma quinta feira ideal para ouvir música no fim da tarde num barzinho qualquer.quem sabe quem sabe. Preciso ir aos bancos pegar os nomes dos gerentes para vender uns anúncios de nossos sites. Precisamos produzir um jornal de oito páginas para divulgar nossos artistas regionais. A idéia é simples, mas falta apoio o que temos conseguido cabe em nosso quintal.... Acabei de entrevistar Léo Mandi ele mandou pra cima , mesmo foi 7 a zero. Tudo acontece se aprendermos a acreditar em nos mesmos. Tudo flui, estou participando hoje de um encontro de nosso Tribunal de Contas sobre o Terceiro Setor e apoio público. Precisamos criar a ong Cidade das Palavras, todas as informações são bem vindas.... Neste sábado terá a palestra de Davi contra Golias. Será muito interessante ver um artista novo falar de seu trabalho ele prepara muitas surpresas. Vou voltar a fazer letras de música tá pintando no horizonte umas idéias. No mais um grande abraço. (*) João Carlos Faria - jocafaria@yahoo.com.br - www.cidadedaspalavras.com.br - www.jocafaria.cidadedaspalavras.com.br

Aug 9, 2007

Epa??? Joca Faria Estamos aprendendo a começar a usar este mundo virtual para reais experiências de linguagem deparei me com uma ousada proposta de nosso Cesar Pop...E vamos nos aventurar afinal tudo cabe em nosso quintal? O beijo dado por você nesta madrugada incendiou meu desejo. O sexo veio e nos sentimos felizes no dia de hoje. Quero fazer uma canção tão igual e tão diferente das que ouvi ontem. Rita lee e sua viagem sonora me encantou ontem no Yotube. Quero ouvi-la em todas as galáxias que for....não quero nada além de escalar nú a pedra do Baú. E cantar na madrugada fria de minha de nossa Mantiqueira.... Dia deste estava em plena praça Afonso Pena acompanhando a vida de um pardal...que belo Pardal livre leve e solto....hoje li um poema sobre tigre de nossa Elisabeth ....em seu mundo subterrâneo... quem somos nos...além de nossa falsa moralidade...seguro- me na cadeira de balanço ao ler o livro sobre a prostituição em São Paulo me vejo a li em todos os personagens sou as prostitutas, os bêbados , bixas, os come dores de pau grande e pique no mas agora neste pra no sinto a necessidade de chegar mais próximo do sol sem queimar minhas asas...quero ser Deus....por isso deixo minha alma de Demônio para traz... BUSCO sair deste labirinto de orgias e pecados insanos e tornar-me um diamante....qualquer dia deste mando uma entrevista para o Marcelo Planchez...por enquanto saboreio as resposta de Edu Planchez...minha alma caminha sobre a terra sou o pássaro preso na gaiola... sou a mulher de pernas abertas na madrugada de São Paulo...nunca sou eu mesmo pois ando longe muito longe de minha essência...quero ver a luz quero ser luz... Prefiro meu silencio sexual a grandes orgias a três a quatro a cinco....já vivi em muitas eras já experimentei tudo isso minha amiga...agora busco algo sagrado... Já vivi em templos e bordeis, já fiz de tudo que sua torpe imaginação pode querer...agora caminho em direção ao mercado para comprar uma rapadura de cinqüenta centavos.... Não mais tenho medo dos infernos pois já sei que passei por ele. Quero chegar aos céus tornar me anjo... João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Aug 5, 2007

Encontro Literário Sábado as 10 da manhã no dia 11 de agosto de 2007 haverá uma palestra do artista plástico Davi Fernandes de Faria sobre o processo de sua criação artística. Na Câmara Municipal de São José dos Campos http://fotolog.terra.com.br/daviffartes Grupo Cidade das Palavras www.cidadedaspalavras.com.br
Pasteis dos chinas Joca Faria Ontem meramente ontem te encontrei pelas ruas. Andando pensativa te animei te convidando para comer um pastel numa pastelaria de chinês. Contei-te que eles já fazem estes belos pasteis há mais de três mil anos. E só agora me livro dos pré-conceitos e desguto estes belos pasteis de noventa centavo em nossa Rua Quinze de Novembro é que na verdade nos somos preconceituosos com quem não fala nossa língua. É uma mentira que dizem minha garota que nos povo brasileiro somos amáveis, mentira queremos tirar o coro de nosso próximo. Somos bem selvagens em nosso capitalismo tupiniquim. Somos descendentes de bárbaros Portugueses vieram aqui degradados para explorarem estas nossas riquezas. E nos achamos hoje muito espertos. É menina não precisas andar cabis baixa por ai. Levante-se acredite em si mesma. E vamos comer nosso pastel e tomar uma maçazinha campeão. Que é daqui de Jacareí. Precisamos ter fé em nos mesmos. Vamos caminhar pelo calçadão da Rua 7 de Setembro. Ver as vitrines ...deixe seus currículos por ai. Sem medo. Bom vou me indo...Preciso caminhar até a Vila Industrial. Sabia que nossos bairros ainda não foram pintados por nossos artistas plásticos que bela idéia falarei com o Davi e sugerirei pra que ele retrate nossas comunidades em tela... Ontem ao voltar para casa a noite, vi lindas gaivotas voando em direção a vargem. Talvez ainda haja esperança nesta terra maltratada pela poluição do ar, contaminação do solo. E por ai vai... João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Aug 1, 2007

Traça Joca Faria Chegando à velha biblioteca de nossa Cidade deparei com um poema de minha autoria muito bem editado no Jornal Traça de nossa Fundação fazia tempos que não via algo meu sendo editado na Fundação Cultural Cassiano Ricardo. Também pudera nunca envio meus textos para nossa bela antologia , mas gosto muito de ler todas as de contos são minhas preferidas. Consigo memorizar cada conto que leio entrão para meu imaginário como um de uma recente antologia que um cara fica num ponto de ônibus e vai ficando até a eternidade. Quando criarmos um projeto de cinema e já estiver maduro enquanto roteirista irei adaptar um conto deste. Tem um de um gárgula que toma o corpo de um homem também aos poucos. Temos um bom contista na Cidade o Jorge Pessoto agente cultural no Novo Horizonte. Nem falo dos contos do Reinaldo de Sá este já merece um livro solo há muito tempo. Vive aqui na Biblioteca falta até um cafezinho quando nos encontramos no antigo sebo que tem aqui que vende livro a um real. Mas hoje em dia gosto de vir no Pão com Palavra em um sábado por mês. A semana literária é um achado da Dirce Araújo que vai virar tradição. Enfim ler e escrever é a melhor saída nesta vida moderna que levamos, tem também as oficinas culturais no projeto artes nos bairros. Que vi nascer quando fui agente cultural e que sobrevive muito bem até hoje. No mais São José tem uma boa fermentação cultural e agora surge varias ongs e grupos. Formando um grande balaio como diria o mestre Cláudio Mendel. Eita vamos em frente que o tar do trem ta passando uai. João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br