Mar 9, 2007

Joca Parabéns!!! No Dia da Mulher, uma homenagem perfeita, falando das coisas como elas são...Na verdade, a beleza de um dia, masculino ou feminino, é ser...E ser, está acima dessa dualidade, incorporando a totalidade das coisas, sem degeneração, é claro! Achei muito justa a sua menção a Angela Guadagnim, afinal, as coisas nem sempre são, como aparentam ser... E muita gente nesse país é caluniado por conta da falta de ética e por falta de justiça e muitos posam de bons moços e boas moças, quando sentam em cima de um grande rabo enrolado. Hoje, a sua inspiração foi bem feminina, quando digo isso, quero dizer que sua ANIMA estava se manifestando de uma forma natural e pura, demonstrando que o ser masculino possui um inconsciente feminino muito doce e apraz... Se tem o Dia do Homem, eu não sei, mas seria justo que tivesse, pois os homens são lindos e eu os adoro...que seria, de nós mulheres, sem esses homens maravilhosos! Abraços, Elizabeth > Um dia para nos HOMENS? > > Dedicado a minha mãe dona Cida e a Ângela Guadagnim. > > Joca Faria > > O sol por estes dias esta forte. Quase fui a uma > cachoeira em São Francisco no dia de hoje. Não > arrumei > nenhuma compania é as vezes se tem a grana. Mas nem > sempre o dinheiro salva. > Talvez o dinheiro nunca salve. Hoje é dia da Mulher > e > para mim elas são tão importantes que nem irei > escrever clichês. > Dias destes uma amiga leitora a Teresa Maya > escreveu-me pedindo meus tortos textos que bom tenho > leitoras. Tenho andando com dificuldades para > arrumar > um computador para escrever. Preciso voltar a > escrever > em papel. Mas peguei este torpe vicio de usar esta > maquina para registrar minhas idéias. > O mundo anda rodando. Nunca devemos ficar parados. > Vivemos numa sociedade onde quase todos são > excluídos > por vários motivos. Por isso talvez não seja > necessário ter datas especificas para cada coisa. E > a > imprensa fica bem chata nestas datas nem tão > queridas > assim. > Lembro-me de um comício em 1988 com a vice-candidata > à > prefeita de São José dos Campos a Ângela Guadagnim > que > fez um discurso maravilhoso a época sobre as > mulheres > mortas numa fabrica se não me engano na Inglaterra e > agora Ângela foi julgada pela mídia e o povo caiu > igual a um patinho punindo injusta mente a esta > grande > brasileira. Escrevam-me mostrando onde ela teve um > mandato ruim. > Temos que desenvolver um censo critico nas opiniões > comuns que a imprensa tenta nos passar. Jornalistas > não são Deuses nem sempre falam com clareza e > isenção. > Digo isto porque escrevo e conheço nossas falhas > será > que a imprensa é sempre ética e isenta? > Mas não cabe a mim julgar, pois também sou escritor > e > tenho uma coluna semanal há quase dois anos. > Levada a trancos e barrancos. E duro escrever sem > ter > um computador em casa tive esta experiência de ter > um > computador por alguns meses e escrevia quase todo > dia. > E tão delicioso escrever, mas deve ser melhor ainda > publicar um livro solo. Chego lá um dia. Mas > pergunto > quando será o dia do homem? O político e ex poeta > Franklin Maciel me falou que tem uma data destas. > Mas > não disse quando. > A política é importante para uma nação , mas > escritores também o são.Prefiro cultivar as duas > funções.Se bem que com a política sinto que não > mudamos nada. Ela esta atualmente num âmbito pessoal > e > não coletivo as pessoas querem mesmo é se arrumar e > acabam arruinando nossa Nação. > Temos que criar caráter e realmente trabalhar pelo > social. Ate a onde o Partido Verde é ideológico? > Não sei? As ações praticas e pragmáticas que vejo > lembram-me qualquer partido. > Por outro lado as reuniões regionais no Vale do > Paraíba acenam com a construção de uma política > regional. > Mas só vejo jogarem e não escondo que também jogo. > Mais pela diversão que pela perversão. > Quando seremos homens públicos de verdade. Como > diria > Salvador Arnoni precisamos nos reciclar. > Mas irei terminar este texto parabenizando o PV por > ter criado uma cota de trinta por cento de mulheres > nas suas executivas. > Temos que ser mais críticos conosco e com as > instituições a quais participamos. > Se não acontecer isso não se cria uma democracia > participativa de fato. > > > João Carlos Faria