Sep 13, 2007

Cervantes Joca Faria Neste ultimo sábado vi o Cavaleiro de Triste Figura emergir das paginas que Cervantes escreveu para o mundo real. Primeiro algumas noivas.Ficamos perdidos não sabíamos o que acontecia. Depois uma noiva desce numa tirolesa...Seguimos há. Eis que do prédio desce uma figura louca a gritar por uma corda fiquei estranhando ,mas sabia o que ele falava não me era estranho derrepente descubro que estou diante do nobre Cavaleiro Dom Quixote entrei em Êxtase ... Vindo a grande admiração que tenho por este personagem que agora rasgou o tempo e vivo está em nosso século vinte e um... Comecei como outras pessoas atônitas a seguir pelas ruas da cidade este louco profeta...Perdido em seus devaneios. Quando inesperadamente um catador de papel como a questioná-lo e ele envolve esta pessoa que se torna nada mais nada menos que Sancho Pança ... Que Dom Quixote prometeu-lhe uma ilha uma bela ilha...E assim começou esta aventura ou desventura agora em nosso tempo...Brigas de espada...Mas uma hora ele chamou-me para ser o Rei que lhe sagrava Cavaleiro e assim como mais um ex-discípulos de Solfidone o sagrei em plena Rua Sete de Setembro cavaleiro da agonia amorosa que clamava por Dulcineia... Lindas doze mulheres passaram de vestidos de noivas perto de nos e o Cavaleiro saiu a correr a correr a correr. Atrás de sua bela amada...Ficávamos todos atônitos...Como as músicas eletrônicas que penetram em nossos ouvidos de uma maneiraaa estranha...O cavaleiro andou pela cidade...Sempre pela cidade vivendo aventuras e mais aventuras...Quando foi rapitado por policiais assim encerrando sua santíssima saga...Eu fiquei com sua espada esquecida pelos policiais e caminho só tentando reencontrá-lo...Este louco...Quem sou? Quem és...A onde vivemos....Sou batidas de musica eletrônicas...Viradas de discos um rap numa esquina qualquer... Cervantes João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br Estaremos nas 22 horas ininterruptas de teatro No cine Santana . FESTIVALE Fundação Cultural Cassiano Ricardo Dia 16 Domingo às 6 horas da manhã Com Café com Palavras Com Joca Faria, leó Mandí, Marcelo Planchez....Elizabete Souza ...Daniella Penellupi...Reginaldo Poeta Gomes..... .... ..... .....

Sep 12, 2007

O TARÓLOGO E O ALQUIMISTA Giancarlo Kind Schmid A relação do tarot com a alquimia é largamente discutida em listas, congressos e palestras. Não é para menos: as alegorias que se apresentam em muitas pranchas alquímicas possuem uma sensível simetria simbólica com as lâminas do tarot. E podemos até concluir que ambas foram criadas para falar ao nosso inconsciente, como uma exposição arquetípica distante da linguagem convencional. Entender o tarot é um trabalho desafiador. Mais ainda são as obras alquímicas. Alguns defendem a idéia de que os alquimistas desenvolviam, realmente, experiências químicas para obter resultados físicos; outros acreditam que se tratava de uma metáfora, que a opus (obra alquímica) era puramente interior. Apesar de não descartar a primeira hipótese, sinto que a segunda proposta faz mais sentido, pois era comum durante a Idade Média ilustrar a essência humana de forma figurada. O tarot surgiu repentinamente na Europa, durante o final do século XIV, sem deixar vestígios concretos de sua origem. Utilizado ludicamente pelos nobres, tornou-se uma "febre" nos 3 séculos seguintes, disseminando- se por países como Itália, França e Espanha, principais fabricantes do baralho nessas épocas. O custo de fabricação de um baralho era muito alto, uma vez que tudo era feito manualmente (em folhas de ouro, por exemplo), sem os recursos tecnológicos da famosa imprensa. Logo, cada pacote de cartas ficava restrito a uma elite, usado como forma de pagamento de tributos, como presente real ou para entretenimento dos nobres. Até o clero conhecia a fama do baralho, mas não havia interferência direta da igreja na utilização do mesmo; volta e meia, algum rei baixava um decreto que proibia o uso das cartas, mas sem sucesso aparente. Se fizermos um paralelo entre a época do aparecimento do tarot na Europa e a propagação das pranchas alquímicas, veremos que há uma correspondência entre as duas. É sabido também que muitos alquimistas famosos (como Nicholas Flamel, Paracelso, Robert Fludd, Cagliostro, Rober Bacon, dentre outros) mantinham estreita relação com os nobres de suas épocas, os mesmos que podiam ter acesso ao baralho. Também há uma grande "sincronicidade simbólica" entre as duas áreas, particularmente se analisarmos os baralhos clássicos (como o Visconti Sforza, por exemplo) e as pranchas do século XV. Em ambas, o estilo artístico é parecido, em suas cores e traços, além de apresentarem símbolos análogos como o rei, a rainha, o sol, a lua, estrelas, leão, anjo, esqueleto, demônio, dentre outros detalhes que valem a pena ser pesquisados e analisados. Na alquimia, existem 3 estágios: nigredo, albedo e rubedo, divididos em 7 operações fundamentais, que representam a opus magnum: calcinatio, solutio, coagulatio, sublimatio, mortificatio, separatio, coniunctio. Notemos que o tarot é formado por 3 grupos de 7 lâminas mais o arcano 0 ou 22, denominado Louco ou Bobo (o fole do alquimista). Cada estágio, representa um estado da matéria no processo da transmutação para conquista do ouro filosofal. Podemos, arquetipicamente falando, até arriscar uma analogia entre os estágios e operações alquímicas, e algumas lâminas do tarot, através da simbologia encontrada em cada uma delas: (1) Calcinatio - essa é a operação primária comumente encontrada na maioria das listas de operações alquímicas. A calcinação é um processo químico que consiste em retirar água de um sólido, através de um intenso aquecimento. Logo, o elemento diretamente responsável é o fogo. O controle do fogo em relação à matéria é o primeiro passo para o alquimista ser bem sucedido em sua opus. Na simbologia do tarot, o arcano "A Força" tem estreita relação com esse estágio, já que o leão é um símbolo ígneo e o homem que o controla (baralho clássico de Sforza) é análogo ao alquimista, que controla a fera. (2) Solutio - é um dos principais procedimentos da alquimia. A proposta é transformar um sólido num líquido. O sólido pode desaparecer no solvente, como se tivesse sido engolido. Para o alquimista, a solutio significava, com freqüência, o retorno da matéria diferenciada ao seu estado indiferenciado original, isto é, à prima matéria. Nesse caso, o Arcano que tem correspondência é "A Lua", que tem estreita relação com o elemento água, bem o mergulho dentro de si mesmo. (3) Coagulatio - refere-se, em primeiro lugar, à experiência no laboratório. É o processo de resfriamento, que leva um líquido a se solidificar. Um sólido dissolvido num solvente reaparece quando o solvente é evaporado. O elemento envolvido é a terra. Analogamente, o arcano "O Imperador" vem representar a cristalização, materialização, o plano concreto. (4) Sublimatio - é o processo de transformação da matéria em ar, por meio de sua elevação e volatização. O elemento aqui envolvido é o ar. O termo "sublimação" vem do latim sublimis, que significa "elevado". Isso indica que a substância se sutiliza a partir de um movimento ascendente. O arcano que podemos corresponder é o "Pendurado" que nos reporta à sutilização da matéria pelo espírito. (5) Mortificatio / Putrefactio - essa operação marca o estágio nigredo, quando há um escurecimento da matéria. Não há nenhuma referência química quanto a essa operação que, literalmente, é a "morte" da matéria. A putrefactio (estado pertinente a essa operação), é a decomposição que destrói corpos orgânicos mortos. O interessante é que os alquimistas também faziam experiências com material orgânico. O arcano "A Morte" está relacionado diretamente a essa operação. (6) Separatio - basicamente é a separação dos elementos, a destilação ou extração da substância. Essa é uma operação decisiva para atingir a conclusão da opus alquímica. O impacto do processo é necessário para melhor aproveitamento da substância pura. Nesse caso, o arcano envolvido é "A Torre", que significa a quebra das estruturas para estabelecimento de uma nova ordem. (7) Coniunctio - é o ponto culminante da opus. É o encontro (casamento) de substâncias opostas para se atingir a fusão ideal para coroação do trabalho alquímico. Há uma coniunctio inferior e outra superior. Enquanto a primeira trata da união de substâncias que ainda não se encontram completamente separadas ou discriminadas, a segunda trata da realização final, a conquista suprema da opus. Na verdade, os dois processos não são distintos entre si. Os arcanos envolvidos são "Os Enamorados" para a coniunctio inferior (o casamento dos opostos) e "O Mundo" para a coniunctio superior (a perfeita integração das substâncias). Esse é apenas um exemplo puramente ilustrativo como referência aos dois temas. Podemos ainda, considerar a lâmina "O Mago" como o alquimista em seu próprio laboratório, enquanto "A Temperança" é a própria representação da Alquimia (Aleister Crowley, famoso magista do início do século XX, produziu junto à desenhista Lady Frieda Harris o Toth Tarot, onde ilustra o arcano XIV "A Temperança" com o nome de Arte, a Alquimia). No baralho de Wirth, vemos o arcano "O Diabo" com a famosa frase alquímica desenhada em seus braços: "Solve et Coagula" ("dissolve e solidifica"), uma referência à Opus Alquímica. A busca do alquimista é pelo "Ouro e pela Pedra Filosofal", assim como a busca do tarólogo é pela Consciência e Sabedoria Interior. Ambos estão seguindo a mesma via: a transcendência pelo mundo simbólico. Ambos trabalham diretamente com o inconsciente e se valem do "laboratório pessoal" para atingir com sucesso a opus.
Jung se inspirou muito em Nietzsche... . "Com que lanterna seria preciso, aqui, procurar por homens que fossem capazes de um mergulho interior e de um abandono puro ao gênio e tivessem a coragem e força suficientes para invocar demônios que fugiram de nosso tempo!" NIETZSCHE, F.W. "Considerações extemporâneas 1873-1874" In: Obras incompletas.Seleção de textos de Gérard Lebrun; tradução e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho; posfácio de Antonio Candido. São Paulo: Nova Cultural, 1991. (Os pensadores) __._,_.___

Sep 7, 2007

entrevista

Entrevista: Wagner "A Bruxaria não deve desculpas por envolver magia sexual. São as outras religiões que devem desculpas pela miséria da repressão puritana que impingiram à humanidade". Emilia Ract (*) Quando e como foi que você descobriu que tinha inclinações para arte? - Bem, sentia a necessidade de me expressar artísticamente desde a infância, mas em 1996 que botei a mão na massa mesmo, já modelando trabalhos para decorar meu ambiente, uma vez que eu não encontrava os artefatos que queria para o mesmo. A idéia de integrar outros materiais a arte também veio de forma bem natural, experimentalismo puro, o que acabou se tornando meu forte. Porque exatamente arte com ossos? - Não foi proposital, no início apenas o crânio era utilizado, mas depois comecei a experimentar com os outros da estrutura óssea, o resultado foi muito interessante, e venho ainda criando variações com ossos até hoje, de forma cada vez mais ácida. Vejo uma beleza bem particular nos ossos, conhecer as variações de cada animal, idéias fluem de formas diferentes, as possibilidades que encontro em trabalhar com eles é bem vasta. Quais são as inspirações ao desenvolver uma escultura? - Atualmente meu senso crítico está tinindo diante a tanta coisa que vem acontecendo no Brasil e no mundo, nada mais justo me inspirar nisso tudo e criticar sem medo de retaliação, afinal, tenho que fazer a minha parte já que estou transmitindo algo com minha arte, é uma exteriorização crítica. Mas também me inspiram meus estudos pessoais nos mais variados dentro do ocultismo e para-ciências, arquitetura antiga, medos humanos, que é o sentimento mais real que conheço, cinema e música me ajudam muito também. Como você vê a reação das pessoas sobre seu trabalho? – Sinceramente, as positivistas são boas para o ego e tal, mas as que provocam e irritam as pessoas são as que mais aprecio, isso mostra que consegui tocar na ferida de alguma forma. Sua arte é apenas estética ou possui um fundamento ritualístico? - Vai de quem a adquirir a obra, eu carrego minhas energias nelas de uma forma, mas o proprietário final é que dita sua finalidade. Eu particularmente utilizo-a das duas formas, estético para meu ambiente e ‘’ritualista’’ para meus momentos de introspecção. Você se considera um anti-cristo? - Totalmente, e anti tudo que ajuda a afundar esse mundo em hipocrisia e conceitos financeiro/religioso falido. Se religião fosse positiva, com tantas que já existe em nosso mundo atual, era pra ser um lugar bem melhor que hoje, mas está visível que a tendência tem sido só piorar. Eu poderia citar muitos exemplos para justificar minha posição, mas não se faz necessário, só basta um pouco de visão do leitor antes de me questionar de forma mais dura por culpa disso. Você sofre muitos preconceitos com sua arte? - Imagino que principalmente dos meios artísticos convencionais, uma vez que não vou tanto atrás mais de exposição coletiva ou algum apoio, não faço parte da estética tradicional, isso me deixa de fora do circuito artístico vigente... tudo bem... faço da minha forma, chegarei apenas até onde minhas pernas me levar. O que você gostaria de dizer a estas pessoas? - Agradeço o ‘’apoio’’, a indiferença dos senhores à minha obra é o que me fortalece. Qual obra te deu mais trabalho? Do que se tratava? - Nenhuma especificamente, todas foram desafiantes no momento de criação, uma vez que são criações, elas fluíram em sua natureza. Claro que peguei pedreiras pelo caminho, sempre desafiado, mas nada até o momento que não pude fazer até o momento. Como você adquire os ossos com os quais realiza suas obras? - Semanalmente em busca na natureza, apenas dessa forma, não abato animal para trabalhar como muitos pensam, vou juntando tudo que possa se integrar ao meu trabalho, é um passeio interessante... gostaria de contar um sonho que tive...estava em um lugar com uma paisagem pra lá de surreal, colhendo coisas interessantíssimas para trabalhar, não consegui definir o que era, mas umas espécie de criatura mantídea sentada em um cogumelo ria de mim dizendo que eu não conseguiria levar tudo aquilo e que eu estava para acordar...realmente...acordei com uma frustração tremenda por estar de mãos vazias, mas muita coisa veio surgindo aos poucos a memória. Espero em vida reproduzir um terço pelo menos do que vi neste sonho. Fale um pouco sobre você. Defina a si e sua arte. - Eu sou uma pessoa que tem suas frustrações e anseios como todas as outras ...talvez um pouco mais ou um pouco menos, mas me dedico de corpo e ‘’alma’’ao que faço, atravesso os mais variados obstáculos, que deixam suas cicatrizes profundas, mas o faço...me aprofundar em minha mente é a viagem mais interessante que já fiz... e posso dizer que pouco conheci até o momento, sinto que as pessoas tem dificuldades em aceitar meu modo de ser e agir, mas tenho que fazer doa a quem doer, é minha natureza que está em jogo... Minha arte é a expressão da minha vida, do meu universo. Sem ela não tenho idéia como eu seria, mas posso garantir que menos feliz com certeza ...ela é a âncora da minha lucidez...sem ela, estaria em águas perigosas, turbulentas...bom, na verdade pensando melhor já estou hehe Agradeço imensamente o espaço concedido, espero ter passado informação suficiente aos que gostariam de conhecer melhor sobre minha arte, mas para maiores informações, deixo meu contato e site com link´s para vários outros sites em que me expresso: wdrart@hotmail.com - www.artlab.cjb.net

Aug 23, 2007

Bombas Joca Faria Outra manhã em minha vida não olhei pro céu não vi dragões voando. Não te vi nua em minha frente, pássaros voam no céu, mas não os vejo. Aviões explodem nas manhas de agosto. Risca-se o céu em brasa. Cadáveres não se reconhecem. Morro em silencio, devia ter escutado os profetas. Não escutei morro calado em silencio. A corrupção humana é o ápice de nosso egoísmo. Enquanto crianças morrem de fome em nossas periferias. Não te vi nua na praça. Não te vi voando de vassoura. Não te abracei na manhã , morro em silencio. Deixo um testamento. Escrevo mentiras nele. E sorrio para a enfermeira ao morrer. Agora sou cadáver num caixão. Os ratos me esperam no túmulo. Mas estou livre das amarras. Não vi suas pernas numa saia branca, quero sentir o cheiro de sua vagina. Só tenho um real para te dar, vamos fazer amor num fétido banheiro de padaria. Como adolescentes sem dinheiro. Bombas explodem no congresso em Brasília, quem levou a bomba? Quinhentos ladrões morrem, os urubus fogem das carniças de porcos deputados. Bombas bombas bombas na capital do sexo.... Quem vai mudar esta nação? Ficamos em silencio após nosso gozo no banheiro... Saímos a passear pela cidade, pomos nossa bomba no correio...Chega terça ...No congresso..... Vamos embora deste pais, pois o tempo urge... Fazemos amor em Paris...enquanto o sangue rola no que restou do congresso... Fazemos amor enquanto ouvimos o hino nacional... A policia cerca nosso hotel nos rendemos....Separam nos.... Mas nos vemos no tribunal...E assim somos cadáveres ambulantes... João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Aug 13, 2007

Câmara Municipal Sol ao meio dia, acabei de encontrar a Daniella Penellupi na nossa Câmara Municipal. Joca Faria (*) Como todos os artistas desta cidade, sempre os vejo na Câmara, apreciamos a democracia. Estava lá o Déo Lopes e paramos para um dedinho de prosa. Lembrou as formigas que param para trocar idéias. É gente, artista não é tão cigarra quanto o povo imagina. Trabalhamos duro em nossos projetos. Nem sempre ou quase sempre não temos o retorno que esperamos, mas tocamos o barco. Hoje é uma quinta feira ideal para ouvir música no fim da tarde num barzinho qualquer.quem sabe quem sabe. Preciso ir aos bancos pegar os nomes dos gerentes para vender uns anúncios de nossos sites. Precisamos produzir um jornal de oito páginas para divulgar nossos artistas regionais. A idéia é simples, mas falta apoio o que temos conseguido cabe em nosso quintal.... Acabei de entrevistar Léo Mandi ele mandou pra cima , mesmo foi 7 a zero. Tudo acontece se aprendermos a acreditar em nos mesmos. Tudo flui, estou participando hoje de um encontro de nosso Tribunal de Contas sobre o Terceiro Setor e apoio público. Precisamos criar a ong Cidade das Palavras, todas as informações são bem vindas.... Neste sábado terá a palestra de Davi contra Golias. Será muito interessante ver um artista novo falar de seu trabalho ele prepara muitas surpresas. Vou voltar a fazer letras de música tá pintando no horizonte umas idéias. No mais um grande abraço. (*) João Carlos Faria - jocafaria@yahoo.com.br - www.cidadedaspalavras.com.br - www.jocafaria.cidadedaspalavras.com.br

Aug 9, 2007

Epa??? Joca Faria Estamos aprendendo a começar a usar este mundo virtual para reais experiências de linguagem deparei me com uma ousada proposta de nosso Cesar Pop...E vamos nos aventurar afinal tudo cabe em nosso quintal? O beijo dado por você nesta madrugada incendiou meu desejo. O sexo veio e nos sentimos felizes no dia de hoje. Quero fazer uma canção tão igual e tão diferente das que ouvi ontem. Rita lee e sua viagem sonora me encantou ontem no Yotube. Quero ouvi-la em todas as galáxias que for....não quero nada além de escalar nú a pedra do Baú. E cantar na madrugada fria de minha de nossa Mantiqueira.... Dia deste estava em plena praça Afonso Pena acompanhando a vida de um pardal...que belo Pardal livre leve e solto....hoje li um poema sobre tigre de nossa Elisabeth ....em seu mundo subterrâneo... quem somos nos...além de nossa falsa moralidade...seguro- me na cadeira de balanço ao ler o livro sobre a prostituição em São Paulo me vejo a li em todos os personagens sou as prostitutas, os bêbados , bixas, os come dores de pau grande e pique no mas agora neste pra no sinto a necessidade de chegar mais próximo do sol sem queimar minhas asas...quero ser Deus....por isso deixo minha alma de Demônio para traz... BUSCO sair deste labirinto de orgias e pecados insanos e tornar-me um diamante....qualquer dia deste mando uma entrevista para o Marcelo Planchez...por enquanto saboreio as resposta de Edu Planchez...minha alma caminha sobre a terra sou o pássaro preso na gaiola... sou a mulher de pernas abertas na madrugada de São Paulo...nunca sou eu mesmo pois ando longe muito longe de minha essência...quero ver a luz quero ser luz... Prefiro meu silencio sexual a grandes orgias a três a quatro a cinco....já vivi em muitas eras já experimentei tudo isso minha amiga...agora busco algo sagrado... Já vivi em templos e bordeis, já fiz de tudo que sua torpe imaginação pode querer...agora caminho em direção ao mercado para comprar uma rapadura de cinqüenta centavos.... Não mais tenho medo dos infernos pois já sei que passei por ele. Quero chegar aos céus tornar me anjo... João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Aug 5, 2007

Encontro Literário Sábado as 10 da manhã no dia 11 de agosto de 2007 haverá uma palestra do artista plástico Davi Fernandes de Faria sobre o processo de sua criação artística. Na Câmara Municipal de São José dos Campos http://fotolog.terra.com.br/daviffartes Grupo Cidade das Palavras www.cidadedaspalavras.com.br
Pasteis dos chinas Joca Faria Ontem meramente ontem te encontrei pelas ruas. Andando pensativa te animei te convidando para comer um pastel numa pastelaria de chinês. Contei-te que eles já fazem estes belos pasteis há mais de três mil anos. E só agora me livro dos pré-conceitos e desguto estes belos pasteis de noventa centavo em nossa Rua Quinze de Novembro é que na verdade nos somos preconceituosos com quem não fala nossa língua. É uma mentira que dizem minha garota que nos povo brasileiro somos amáveis, mentira queremos tirar o coro de nosso próximo. Somos bem selvagens em nosso capitalismo tupiniquim. Somos descendentes de bárbaros Portugueses vieram aqui degradados para explorarem estas nossas riquezas. E nos achamos hoje muito espertos. É menina não precisas andar cabis baixa por ai. Levante-se acredite em si mesma. E vamos comer nosso pastel e tomar uma maçazinha campeão. Que é daqui de Jacareí. Precisamos ter fé em nos mesmos. Vamos caminhar pelo calçadão da Rua 7 de Setembro. Ver as vitrines ...deixe seus currículos por ai. Sem medo. Bom vou me indo...Preciso caminhar até a Vila Industrial. Sabia que nossos bairros ainda não foram pintados por nossos artistas plásticos que bela idéia falarei com o Davi e sugerirei pra que ele retrate nossas comunidades em tela... Ontem ao voltar para casa a noite, vi lindas gaivotas voando em direção a vargem. Talvez ainda haja esperança nesta terra maltratada pela poluição do ar, contaminação do solo. E por ai vai... João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Aug 1, 2007

Traça Joca Faria Chegando à velha biblioteca de nossa Cidade deparei com um poema de minha autoria muito bem editado no Jornal Traça de nossa Fundação fazia tempos que não via algo meu sendo editado na Fundação Cultural Cassiano Ricardo. Também pudera nunca envio meus textos para nossa bela antologia , mas gosto muito de ler todas as de contos são minhas preferidas. Consigo memorizar cada conto que leio entrão para meu imaginário como um de uma recente antologia que um cara fica num ponto de ônibus e vai ficando até a eternidade. Quando criarmos um projeto de cinema e já estiver maduro enquanto roteirista irei adaptar um conto deste. Tem um de um gárgula que toma o corpo de um homem também aos poucos. Temos um bom contista na Cidade o Jorge Pessoto agente cultural no Novo Horizonte. Nem falo dos contos do Reinaldo de Sá este já merece um livro solo há muito tempo. Vive aqui na Biblioteca falta até um cafezinho quando nos encontramos no antigo sebo que tem aqui que vende livro a um real. Mas hoje em dia gosto de vir no Pão com Palavra em um sábado por mês. A semana literária é um achado da Dirce Araújo que vai virar tradição. Enfim ler e escrever é a melhor saída nesta vida moderna que levamos, tem também as oficinas culturais no projeto artes nos bairros. Que vi nascer quando fui agente cultural e que sobrevive muito bem até hoje. No mais São José tem uma boa fermentação cultural e agora surge varias ongs e grupos. Formando um grande balaio como diria o mestre Cláudio Mendel. Eita vamos em frente que o tar do trem ta passando uai. João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br

Jul 30, 2007

Encontro Literário Sábado as 10 da manhã no dia 11 de agosto de 2007 haverá uma palestra do artista plástico Davi Fernandes de Faria sobre o processo de sua criação artística. Na Câmara Municipal de São José dos Campos http://fotolog.terra.com.br/daviffartes Grupo Cidade das Palavras www.cidadedaspalavras.com.br

Jul 29, 2007

Momento histórico J o c a F a r i a e n t r e v i s t a E d u P l a n c h ê z A HORA DOS DIAMANTES “Nós, os Celebreiros, declaramos somente contar com a chama de nosso interior/Contamos apenas com o “mar de raios”, do sol do céu, do sol de nossos corações brasileiros universais/Possuímos raízes profundamente fincadas/Determinamos cobrir esse país –Terra/ com as folhas de ouro da poesia/“Não avançar é recuar”/Nossas mãos, vozes, palavras, inauguram a comunicação de alma para alma/ Essa é a atitude de um celebreiro pau para toda obra/Essa é a nossa doce entrega/Nada ou ninguém é caso perdido/ Avancemos!/Caso queira,nos acompanhe/Avançaremos, e o que importa é avançar/Se desejar, nos chame de tropicalistas, mangue-beat, nação-brasílis, homens-mulheres de pedra orgânica, ciclone invisível, ou qualquer outra maravilha sem cotação na bolsa de Pequim/O fato é que estamos acordados diante de uma terra cheia de estrelas e demônios estrelas./Nada à temer/ A Lei das Leis é a nossa pele selvagemNosso sonhos ganharão corpo no reino da matéria/Não abriremos mão, ser feliz é a nossa opção/ Infalivelmente os verdadeiros humanos serão evidenciados e a voz do poeta será (é ) a maior de todas as vozes porque a poesia é a maior de todas as revoluções” EDU PLANCHÊZ A entrevista: Quem é Edu Planchêz? Onde nasceu? Onde cresceu? Edu Planchêz é um homem simples, nasceu no mesmo bairro que nasceu o mestre Guinga, Jacarepaguá, Rio de Janeiro, Zona Norte. Edu Planchêz é um guerreiro incansável que segundo o mestre Dailor Varela não passa de um animal poético de versos livres e alucinados. Orgulhosamente ele é um dos maiores poeta cantor pensador de seu tempo, dedicou uma existência a essa “loucura”. Edu Planchêz é irmão do mundo, brasileiro universal, rebento do novo, uma ou duas crianças brincando com as próprias fezes, um ancião adorador de mitos e comédias mais velho que Enoke, um devasso revolucionário que ama fazer amor com orientais e negras sobre as copas das árvores. Edu Planchêz nasceu para quebrar a couraça da hipocrisia com suas artorianas mãos de Budha, com sua voz profundamente humana, com suas palavras intensas carregadas de ouro e lama. Edu Planchêz ainda está nascendo. Edu Planchêz cresce nas lagunas dos corações de seus fraternos amigos. “As pessoas que eu amo, amo bastante.” “Daqui do Rio de Janeiro eu estou te sacando!” Viva o Príncipe Luís Melodia!!! Como vê a arte hoje? Como sempre fiz, com os olhos da boca de minha alma de gás azul. Vivo no século XXI mas tenho braços e pernas espalhados por todos os séculos passados e futuros. Os verdadeiros artistas deveriam abandonar o egóico e partirem para o social, assim como faz o meu irmão Tico Santa Cruz ( Vocalista dos “Detonautas”) e seu grupo performático “Voluntários da Pátria” grupo do qual faço parte. Jim Morrison disse: “Quando os assassinos do verdadeiro reino obtém licença para agirem livres, mil mágicos surgem sobre a Terra!” Porra! Eu sou um desses Mágicos! Você também é?!?! Se acreditar... “Todo jornal que eu leio diz que a gente já era, que não é mais primavera...a gente ainda nem começou!” DEFITIVAMENTE, NÃO É O FIM, É HORA DE DESPERTAR, DE APONTAR TODAS AS LANÇAS INCENDIÁRIAS PARA OS OLHOS DO SOL HUMANO. A arte e seus criadores são sacerdotes, é preciso que haja essa compreensão. Medo de quê? Acredito que estar enterrado numa carceragem, nos equinócios de um hospício, nos trapos de um leito hospitalar ou nos egoísticos acordes de si mesmo, é degradante. Como vê a internet? Tanta gente falando de Internet... “que depois da roda e da televisão é a maior de todas as invenções”...deve ser. Vivemos a Era da comunicação, a Internet veio para facilitar a vida, mas ela não tem vagina, não tem cérebro, não tem pernas, não tem braços, não tem pau, não tem bunda: sou mais eu, sou mais você. Caralho, a Internet é uma ferramenta de trabalho fuderosa, para nós escritores tarados é uma maravilha. Ter o mundo sob a ponta dos dedos é excitante. Eu adoro. Gostaria que saísse leite de verdade do peitão que me ataca agora nessa tela faminta. Mas se eu quiser leite mesmo tenho que ir até a geladeira ou bater uma mística punheta. Em tempo: Eu sou a maior de todas as invenções! Ou seria a sirírica? Rio x Sampa? Duas Terras queridas, dois pontos no mapa, duas canções, os aros das minhas orelhas. Vivo no Rio de Janeiro porque aqui enterrei o meu umbigo, amo essa cidade, suas histórias, ruas, pessoas e encantos. Recomendo a todos o livro “ Carnaval no Fogo - Rio de Janeiro uma cidade excitante”, livro este, escrito pelo genial jornalista Rui Castro. Nesse livro sê tem a real noção do que é viver na fabulosa RJ. O estado de São Paulo, a cidade de São Paulo, minha segunda pátria: amo e odeio. Nas brenhas do estado de São Paulo inventei esse Demônio poeta vomitador de metais em combustão, trepando nas forquilhas das goiabeiras do quintal de nossa casa lá do Parque Novo Horizonte. Esse mesmo Demônio, correu pelas valetas do Jardim da Granja catando gravetos e lambaris raquíticas. Não posso negar, sinto falta da Mantiqueira majestosa, dos meus irmão e irmãs de luz e trevas, das mulheres que gentilmente me doaram suas bocas e pêlos. No estado de São Paulo nasci para a poesia, para o meu despertar espiritual e humano. Tenho grande gratidão a essa Terra e suas pessoas. Amigos das terras de São Paulo, saudades! Como tá enxergando São José dos Campos hoje? Com saudades, sem saudades. “Toda cidade é uma lenda.” São José dos Campos e todo o estado de São Paulo possuí muitos olhos provincianos, não gostou de me sentir vigiado-censurado. Dei muito e pouco recebi; fui escorraçado, humilhado por pessoas de mente estreita voltados apenas para seus próprios interesses. Hoje entendo Cassiano Ricardo, da sua aversão aos valores da sociedade joseeense, da forma que a cidade lhe cobrava só por que ele era “um corpo humano que venceu”. Cassiano Ricardo e sua poesia são maiores que São José dos Campos, que a burrice e os burros que tentaram me oprimir. Por onde ando nem todos conhecem São José do Campos, mas certamente conhecem ou ouviram falar de Cassiano Ricardo. Tenho um amigo ( o poeta CHICO CHAVES) que atualmente coordena o setor de Artes Plásticas da FUNART que funciona no prédio do Ministério de Educação e Cultura (MEC) aqui no Rio; ele afirma que Cassiano Ricardo é um moderno criador de imagens, de metáforas extravagantes, que não deve nada a nenhum poeta do mundão dos poetas visionários. Chico Chaves disse que Cassiano Ricardo precisa ser redescoberto. Na época que eu era conselheiro e coordenador da comissão de Literatura da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, levei a proposta do Chico Chaves para uma parceria entre o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro e a Fundação Cultural Cassiano Ricardo para fazermos um ciclo de exposição e debates sobre Cassiano Ricardo aqui no Rio de Janeiro, simplesmente fui ignorado, o professor Diniz ( que era o presidente) não tomou conhecimento, o conselho cagou. Não recebi de São José dos Campos o valor que mereço, mas reconheço que muito aprendi com a cidade, com algumas pessoas. Afirmo: os melhores filhos de São José dos Campos são meus irmãos irmãs amigos amigas! É uma pena que os interesses políticos tenham destruído uma Fundação criada pelos artistas, Fundação essa que fez trabalhos primorosos e que serviu de modelo para muitas outras Fundações do Brasil e do mundo, eu sou testemunha. Usar o nome de Cassiano Ricardo, dar o nome dele a uma fundação Cultural conservadora e a uma remota avenida é uma grande hipocrisia. São José dos Campos jogava pedras fedorentas em Cassiano, só porque ele era famoso, genial, amigo de pessoas influentes... A grande poesia de Cassiano Ricardo precisa ser lida, ela não carece dessas homenagens menores. Sugiro que mudem o nome da Fundação Cultural para Fundação Cultural Dailor Varela. Dailor Varela é meu padrinho, poeta de renome nacional. Quando Belchior esteve em São José dos Campos, perguntou-me no camarim do teatro Municipal: “ Aqui não é a terra daquele grande poeta? Respondi, “Cassiano Ricardo!?”, Belchior disse, “não”, Dailor Varela!!! Dailor foi o cara que me descobriu, que me entrevistou pela primeira vez quando era o responsável pelo caderno Vale Viver. Dailor precisa ser mais valorizado, ele é grandioso, homem de coragem, criador de extrema capacidade, irmão dos que ousam e do simples, ele está para muito além dos usam a horrenda mortalha do poder. Para mim Dailor Varela é mais importante que Monteiro Lobato. Dailor Varela, presidente das Nações Unidas dos Pássaros Comedores de Brasas Arreganhadas. Leis de incentivo o que acha? Não sei. Não quero falar sobre isso, deixo para o Franklin Josias e para o meu parceiro Eduardo Pane. Liguem o Gilberto Gil, para Beth Brait, para o Alcemir Palma, para o Cacá Diegues, para o Jarbas Passarinho, para o Golbery. Pesquisem na Internet. Só um comentário: A novela das oito é de longe melhor que a maioria dos filmes que foram patrocinados por essa dita Lei de Incentivos. Tenho acompanhado algumas pré-estréias que rolam toda semana no cine Odeon-BR (que fica aqui perto de casa), sinceramente, pouca coisa vi me comoveu, gostaria de saber quem foi que falou que Caio Brant é cineasta. Porra, os caras pegam um montão de grana ( do Itaú, da Sabesp, BNDS) para fazerem aquelas merdas, filmes caretas defensores de padrões conservadores. O cinema é uma máquina cara, simples e complexa, requer profundidade, peso filosófico, magnitude tribal, xamânismo crônico, seriedade solar. Todas as glórias a Neville de Almeida, o mestre dos meus olhos curiosos. Neville, diretor célebre de “A dama do Lotação,” Navalha na Carne”, “Os sete Gatinhos”, “Matou a família e foi ao cinema 2”... e uma porrada de outros títulos iluminados. Encontro Neville sempre, com uma câmera digital no reino das mãos, captando tudo, ele vive entre os poetas, entre os da rua, ele é uma pessoa simples, não usa a sua celebridade para se isolar do mundo e das pessoas, ao contrário, não estagnou como a maioria dos que fazem sucesso. Orgulho-me de ter como amigo e irmão o mahatma Neville de Almeida. O Rio de Janeiro é lugar apaixonante, e seus habitantes...os peixes da lua cheia. Como o mundo reage a sua poesia? Calorosamente, com espanto, indignação, repulsa, desprezo, prêmios, comendas, tapetes vermelhos, pedradas, beijos na boca .Não tenho o que reclamar, minha poesia cumpre sua função junto a sociedade humana, ela é uma bunda na janela, um ouriço do mar de diamantes cravejado de pérolas e amigos. Escrevo em primeiro lugar para as minhas sonoras pupilas. Uns me chamam de psicodélico, outros de intenso romântico, outros de lunático, outros de “momo sexual”, e outras coisas que agora não recordo. Abri o Orkut alguma horas atrás e me deparei com o seguinte comentário: “Você já leu o perfil do lunático Edu Planchêz, vocalista da banda-desgraça Blake Rimbaud?...” Joca, estou ficando famoso, pop, celebridade, farol das novas gerações, exemplo a ser seguido. Joca, eu sou apenas um andarilho que faz de suas palavras flechas perfumadas. Joca, pela poesia rompi com a minha família, fiquei por anos longe de meu filho, de mim foram arrancados amores, morei andando por muitas estações, usei farrapos, pedi esmolas, fique sem poder ir ao médico, ao dentista, pedi carona, roubei comida, fui trancado no manicômio. Não me arrependo de nada. A minha integridade, a integridade da minha poesia e da música que faço transcende esse tempo, seguramente se espalhara a todos os povos. Minha banda “Blake Rimbaud “ é a nova grande banda do Brasil. Acabo de publicar dois livro: “LATITUDES DO ESCORPIÃO” e “INDIO NEON”( segunda edição) que esta à venda na internet, é só me procurar no Orkut. Minha banda também está disponível para shows... www.blakerimbaud.com.br Você é pop ou cult? -Pergunte ao povo. Por que não escreve mais aqueles ensaios maravilhosos que fazia na pagina dois do Litter? - Voltarei a escrever. O poder público compra a consciência dos artistas? A minha, não! Neste momento estou gravando dois discos, um de poesia, ou seja, os poemas que fazem parte do meu livro “Latitudes do Escorpião” estão sendo gravados por mim e por Grad Azevedo no apartamento dele na Glória, e também acabo de entrar em outro estúdio com os músicos da minha banda, a Blake Rimbaud ( os guitarrista Danilo Lima e Reinaldo, o baterista Daniel Mendes e Baixista Ivan da Usina) com produção de Felipe Cavalieri ( atual produtor do cantor baiano Riachão), camarada que por muito tempo foi técnico musical produtor da Som Livre, ele assinou muitos discos que certamente estão e vossa estante, por exemplo: “Cantoria um e dois”, o encontro de Geraldo Azevedo, Xangai, Elomar, Vital Faria e Alceu Valença. O que acha da burocracia nas artes? Uma merda, mas há quem goste... Considerações finais? Um poema de meu novo livro “Latitudes do Escorpião”: N a t e s t a d o s m u r o s Tudo corre, tudo é mercado, Era digital: ciflas astronômicas cobrem os céus que antes eram cobertos de astros e bailarinas Não quero esse mundo sem violas reais, sem cadeira nas calçadas de Vila Isabel Acordo diante de uma realidade há muito profetizada Os homens deixaram seus cérebros serem tomados por vermes de porco Nada me curva, mundo apodrecido! Amigo Irael Luziano, irmão, as juras que fizemos estão impressas na testa dos muros Edu Planchêz Fale-nos de novos artistas? Destaco a cantora paraibana ELMA ALEGRIA,o violonista cantor compositor maranhense GRAD AZEVEDO,o ator performático IGOR COLTRIM, a cantora mineira que gravou uma de minhas músicas, a SANDRA GREGO, o poeta TAVINHO PAES ( autor de “Rádio Blá”,” Totalmente demais”, entre outros sucessos), o poeta pernambucano BRASIL BARRETO, o TICO SANTA CRUZ do Detonautas Rock Club, o poeta professor paraibano FLÁVIO NASCIMENTO, o poeta joseense DOUGLAS ELEOTÉRIO que está aqui pelo Rio cursando Letras na UFRJ e fazendo parcerias brilhantes com Antônio Cícero e Ferreira Gullar, a poetisa BETINA BOPP, a cantora poetisa LIDOKA ex-Frenética, o poeta BAIÁ TONÉLI, o ator poeta EDUARDO TORNARGUI, o poeta cantor compositor LÉO MANDI, o poeta JOÃO MARCELO PLANCHÊZ ( meu irmão), o poeta intelectual GUEDES BUENO, as poetisas JOSEFINA DE MELO, DANIELA PENELUPPE, DIRCE ARAUJO, BETH SOUZA, BETH BRAIT, o múltiplo musicista MARCUS FLEXA, o poeta RICOLA, o poeta REINALDO SÁ, o poeta ZÉ MORAES, o compositor EDSON PRATA entre muitos outros aguçados criadores de respeito. O Brasil e o Rio de Janeiro estão vivendo uma intensa febre de poesia: muitos saraus acontecendo, poetas e mais poetas derramando o leite da solidariedade sobre o rosto da cidade Mãe, do país Pai. O que anda compondo? Algumas novas canções, eis a letra de uma delas: CADEIA 150 pessoas confinadas num cubículo que no meu entender cabe apenas um único demônio A imagem dolorida permanece latejando, impossível digerir, não encontro respostas no campo do sentimento Nessa noite fui na companhia de alguns amigos a uma carceragem (em Nova Iguaçu), ao chegarmos encontramos irmãos iguais a nós, sentados no chão sujo e frio, estavam lá à nossa espera Ali na qualidade de poetas solidários, levávamos e buscávamos um pouco de calor humano e esperança para nós e para aquelas pessoas habitantes do inferno Acredito que estar enterrado numa carceragem, nos equinócios de um hospício, nos trapos de um leito hospitalar ou nos egoísticos acordes de si mesmo, é degradante Edu Planchêz

Jul 27, 2007

Sol Joca Faria Eu que me levantei pela manhã e vi o sol brilhando e pensei hoje ponho minha bela saia xadrez. Que nada a boa e velha caquética civilização ocidental. Não me deixa fazer isto puis mesmo uma boa calça social e uma camisa de manga cumprida e vim para a vida, sem grana tentando vender uns anúncios para nossos jornais. Tentando sobreviver de minha nova profissão que é ser jornalista errando o velho é bom português dizem que o assassino diariamente.É mentira sigo sem querer a filosofia de nosso velho anarquista o Bessa que agora vive numa bela praia qualquer de nosso nordeste sobrevivendo de aulas de historia. Talvez nunca mais o veremos que seja feliz. Que liberdade que nada somos presos as velhas convenções sociais, moramos nos trópicos e não construímos nada novo. O quem vem depois da já morta Tropicália. Caetano dizem os patrulheiros é um velho chato fazendo shows burrocraticos. Mas Jorge Mautner, Tão Zé estão firmes e fortes na velha recriação do novo e nosso Oficineiro de Plantão o Zé Celso que nos surpreende a cada novo espetáculo. Eu encontrei o Zé Celso em Sampa há uns anos atrás em frente a um apartamento e o abracei deve ter pensado quem é este porra louca. Mas que se foda. Ontem encontrei minha ex musa a Bete Bino hoje muito bem casada com Deo Lopes e já com três filhos. Mas minha ferida se abriu novamente...mas tudo passa um dia encontro alguma alma perdida como a mihna. E serei supostamente feliz. Que se dane vou vivendo e mantendo meu velho bom humor. Mas qualquer dia deste chuto a barraca, ponho minha saia xadrez e caminharei pela cidade. Vejam nossos vídeos no orkut são bem interessantes. Pouca gente compreende, mas não to nem ai.. Vivo a cada dia como se fosse minhas ultimas horas neste planeta, pois o mundo pode acabar em 2012...2045...ou 2500.... E daí? E daí? E daí? Não sei leiam os profetas e terá suas respostas. Pois como diria mestre Raul Seixas só tenho verdades pra dizer... Há que vontade de fazer amor comigo mesmo.Mas vou encontrar uma parceira e farei tudo que ainda não fiz com direito há três dias e três noites dentro de um quarto qualquer... Tenho muita vontade de cair na estrada , qualquer hora parto sem destino mas preciso primeiro arranjar uns 100 mil euros. Porque sem grana não saio não. Eu não sou Edu Planchez sou Joca Faria... Quero nadar nú numa praia qualquer sem me preocupar com os moralistas de plantão. Vou-me embora amanhã estarei de volta há há há. João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br http://fariajoca.blog.terra.com.br/ E ai povo vejam eu novo blog e divirtam -se... http://fariajoca.blog.terra.com.br/

Jul 26, 2007

ENTIDADES VIVAS à Dylan Thomas A mais ínfima parcela da criatura que em mim carrego esta debruçada nas muralhas dos jardins suspensos da Abissínia ela procura saber o caminho que nos leva aos vulcões e as praias de espumas de mirra A poesia que espeto no mapa do céu possuí ramificações que se espalham por toda a Terra Ela entra pelos pilotis das casas sombrias para tocar nas manchas da pele das gerações Assumo todos os riscos para imprimir na nova semana a mudança da capital que devo dizer ser o abrir de portas e bocas para a canção de Aquárius redigir sobre mesas e camas a nova carta Entidades bem vestidas trazem o bloco de sal para ser esculpido Um peixe zodíaco possível calendário persa move-se para quebrar as moléculas salgadas e retirar de sua natureza a dama de calcário O pensamento de argila e cal cai sobre a minha vontade de avançar assoprando as flores incendiadas com os lábios carregados de sons de taba EDU PLANCHEZE

Jul 24, 2007

Patu Fú Joca Faria Pois é gente o futuro do mercado musical já chegou acabo de ler na Folha de São Paulo matéria sobre o novo cd do Pato Fú. Num é que aqueles meninos de Minas Gerais lançaram cd para vender via internet e custa um real cada musica. Pois é nos artistas independentes estaremos amarrando nosso burro na sombra imaginem o Edu Planchez vendendo 100.000 músicas pela net. Nos do Cidade das Palavras vendendo dignamente nosso trabalho sem precisar fazer muita média. E tudo mundo sendo remunerado pelo seu trabalho intelectual. Acabo de encontrar o poeta Reinaldo de Sá junto com o Zé Mauricio falando sobre compra e venda de musica lá na Praça da Sé em Sampa. Sabiam que grandes cantores populares compram música de artistas desconhecidos por duzentos, trezentos reais depois assinam a obra é nois publico consumimos numa boa quem me contou tudo isso foi o Reinaldo, quanto nos cidadãos do povo somos enganados em tudo. A UOL que é da nossa velha folha esta vendendo também um tar de Victor e Léo por 1,99 a faixa. Que caro né acho que vou dar este cd pro Reinaldo Prado. Ele que deve gostar disso uai. Por falar em Minas sabiam que duplas sertanejas dão comissões a prefeitos do Sul de Minas Gerais para prefeitos comprarem seus shows. Depois como iremos querer mudanças neste pais se tudo mundo trapaceia o tempo todo. Ta faltando pessoas como o ético Ricardo Faria neste Brasil. Gente chega de tamparmos o Sol com a peneira, até quando morremos em aviões, ônibus, estradas e tudo mais até quando esta nação abrir os olhos na corrupção do dia a dia. Voltando a música gosto desta banda o Pato Fú são bem experimentais e inteligentes. Merecem ser ouvidos. Nu mais nos vemos nos shows do Joca Freire. João Carlos Faria http://megastore.uol.com.br/acervo/pop/p/pato_fu/daqui_pro_futuro www.cidadedaspalavras.com.br

Jul 20, 2007

http://fotolog.terra.com.br/daviffartes

Jul 17, 2007

Tá no ar o blog dos blog trazendo de volta a irmandade neo filosófica grupo fundado em 1998 em São José dos Campos pelos poetas Azf Casablanca, Abda Almirez, Solfidone e Joca Faria. E fechado em 2002 após divergencias poéticas e refundado agora por Joca Faria. Bem vindos a Nova Irmandade Neo Filósofica trazendo a Paz e a Harmonia.
Vagina Joca Faria Algo fantástico é a vagina. Um desenho triangular...achei em minhas pesquisas na internet um vídeo de dança.Onde mostra três lindas bailarinas dançando uma dança criando uma vagina ...num palco qualquer... A vagina a calcinha que veste a VAGINA...tudo é belo e sensual...talvez seja uma alucinação...uma bela alucinação de um doido desvairado que ama o órgão de prazer do sexo oposto. Vagina os piegas chamam de túnel do amor, como vi numa calcinha de uma mulher que fiz amor a muito muito tempo atrás... Gosto tanto que quero um dia montar uma confecção para produzir estas peças intimas da intimidade de uma fêmea qualquer... de nosso planeta... Ser melhor negociante que os nobres irmãos chineses... Contratar modelos de todas as raças para fazerem desfiles em frente ao Cristo Redentor...e depois na Avenida Paulista em frente ao Masp... Construir uma casa em São Francisco Xavier inspirada na arquitetura da vagina... Com a silhueta dos corpos femininos...e ter a fêmea serta e aconchegante e fazermos amor toda a noite ao lado da lareira...as vezes numa cachoeira...outras na BAHIA de Castelhanos em Ilha Bela... Assim é a paixão deste poeta e uma singela homenagem ao feminino. Um dia crio e dirijo uma performance tão bela quanto a que assistirão agora. Delirem... http://www.youtube.com/jocafaria João Carlos Faria
Solfidone??? JOCA FARIA Pássaros voam no céu da cidade...ao longe ela sorri...num eterno rebolar...crianças passeiam em bibliotecas vazias...ainda não li meu horóscopo...não sei o que este dia me espera...não espero nada dele.simplesmente vivo...que futuro teremos? não sei tudo é culpa de minha ânsia de ser? ou de ter? Talvez eu eu eu seja o maior consumista deste planeta chamado terra...compraria uma cidade inteira para somente ter. Ainda não estudei a lei dos 7. Mas ainda a entenderei...não durmo há milênios ouço nas minhas madrugas Raul Seixas sempre acho que supero esta fase e logo me vejo ouvindo Raul novamente...já li muita coisa de Paulo Coelho e ai você me pergunta E DAI? Vou caminhar sozinho pela praça Afonso Pena...procurando outra alma abismal como a minha... a centenas de anos não vejo Solfidone só releio seus textos e meus textos fora de todo contexto. Mas você me pergunta quem é Solfidone eu lê respondo um filosofo tal qual Gentileza...tal qual Bispo do Rosário que caminhava só por esta São José dos Campos...um ser abstrato e real .... Que muitos já dizem não ter existido ...ser só um delírio de poetas e loucos...outros dizem tratar de um mitômano...que foi internado no Francisca Júlia dizem que enbranhou-se na mata feito ZARATUSTRA...e pegou carona num disco voador junto com outros seres estranhos e agora vive em outras constelações...tomando coca-cola e comendo pão de queijo junto com outros poetas insanos... Mas sempre dizem já não sei de nada E DAI?... Vou indo indo vou a criar um novo personagem para estrear em 11 de Setembro...para deixar puritanos de cabeça em pé...meu ego ego ego...quer tirar a roupa para fazer fotos é nenhuma fêmea quer me fotografar? Sempre acompanhado de Solfidone em minha imaginação...ele foi o Mago que abriu -me a porta da Ciência do Bem e do Mal...dizem que vivo numa eterna dúvida entre o caminho do mal e o caminho do bem... Mas será mesmo que exista esta tal divisão? Não sei só sei que já não quero mais me masturbar...tento não criar efígie...assistindo a filmes pornôs...quero uma fêmea que sacia a minha SEDE de Tantra... Quero minha auto realização, pois o resto e resto...e nada mais...onde esta Solfidone? João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br
Tibet Joca Faria Democracia é algo distante para nossa humanidade se ela existisse de verdade o povo Tibetano estaria livre do julgo do império Chinês. Mao Tesung conseguiu criar uma grande potencia capitalista em nosso planeta, mas porque ele acabou com a independência do povo Tibetano. Não tenho nada contra o povo Chinês , mas eles estão errando e nos ocidentais também ao aceitarmos o esmagamento da cultura milenar do povo do Tibet. Não devemos continuar calados e é isso que o artista plástico Davi Fernandes de Faria esta fazendo solitariamente em seu atelier fazendo um quadro em homenagem ao povo Tibetano. David Bohee compôs musicas em defesa do Tibet. O grande Dalai Lama vive exilado na Índia. A globalização esta ai que seja também a globalização da democracia e da liberdade. Nos cidadãos americanos do sul. Não devemos continuar surdos e mudos diante da exploração do Império Chinês. O governo democrático do trabalhador Luis Inácio Lula da Silva não pode ficar omisso Lula é um líder que vem do povo e sensível as intolerâncias porque seu governo se omite em relação a questão do Tibet? Será que é porque a China é um bom parceiro econômico? Camaradas é hora de defender a liberdade e a democracia nosso povo não pode ficar em silencio quando uma cultura milenar é massacrada. Leiam se tiverem interessados os livros de Lobsang Rampa eles contarão tudo sobre o Tibet. Que se consolide cada vez mais em nosso pequeno planeta a verdadeira liberdade de expressão. Paz a todos os povos. João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br www.vejosaojose.com.br
Tibet Joca Faria Democracia é algo distante para nossa humanidade se ela existisse de verdade o povo Tibetano estaria livre do julgo do império Chinês. Mao Tesung conseguiu criar uma grande potencia capitalista em nosso planeta, mas porque ele acabou com a independência do povo Tibetano. Não tenho nada contra o povo Chinês , mas eles estão errando e nos ocidentais também ao aceitarmos o esmagamento da cultura milenar do povo do Tibet. Não devemos continuar calados e é isso que o artista plástico Davi Fernandes de Faria esta fazendo solitariamente em seu atelier fazendo um quadro em homenagem ao povo Tibetano. David Bohee compôs musicas em defesa do Tibet. O grande Dalai Lama vive exilado na Índia. A globalização esta ai que seja também a globalização da democracia e da liberdade. Nos cidadãos americanos do sul. Não devemos continuar surdos e mudos diante da exploração do Império Chinês. O governo democrático do trabalhador Luis Inácio Lula da Silva não pode ficar omisso Lula é um líder que vem do povo e sensível as intolerâncias porque seu governo se omite em relação a questão do Tibet? Será que é porque a China é um bom parceiro econômico? Camaradas é hora de defender a liberdade e a democracia nosso povo não pode ficar em silencio quando uma cultura milenar é massacrada. Leiam se tiverem interessados os livros de Lobsang Rampa eles contarão tudo sobre o Tibet. Que se consolide cada vez mais em nosso pequeno planeta a verdadeira liberdade de expressão. Paz a todos os povos. João Carlos Faria www.cidadedaspalavras.com.br www.vejosaojose.com.br

Mar 9, 2007

Joca Parabéns!!! No Dia da Mulher, uma homenagem perfeita, falando das coisas como elas são...Na verdade, a beleza de um dia, masculino ou feminino, é ser...E ser, está acima dessa dualidade, incorporando a totalidade das coisas, sem degeneração, é claro! Achei muito justa a sua menção a Angela Guadagnim, afinal, as coisas nem sempre são, como aparentam ser... E muita gente nesse país é caluniado por conta da falta de ética e por falta de justiça e muitos posam de bons moços e boas moças, quando sentam em cima de um grande rabo enrolado. Hoje, a sua inspiração foi bem feminina, quando digo isso, quero dizer que sua ANIMA estava se manifestando de uma forma natural e pura, demonstrando que o ser masculino possui um inconsciente feminino muito doce e apraz... Se tem o Dia do Homem, eu não sei, mas seria justo que tivesse, pois os homens são lindos e eu os adoro...que seria, de nós mulheres, sem esses homens maravilhosos! Abraços, Elizabeth > Um dia para nos HOMENS? > > Dedicado a minha mãe dona Cida e a Ângela Guadagnim. > > Joca Faria > > O sol por estes dias esta forte. Quase fui a uma > cachoeira em São Francisco no dia de hoje. Não > arrumei > nenhuma compania é as vezes se tem a grana. Mas nem > sempre o dinheiro salva. > Talvez o dinheiro nunca salve. Hoje é dia da Mulher > e > para mim elas são tão importantes que nem irei > escrever clichês. > Dias destes uma amiga leitora a Teresa Maya > escreveu-me pedindo meus tortos textos que bom tenho > leitoras. Tenho andando com dificuldades para > arrumar > um computador para escrever. Preciso voltar a > escrever > em papel. Mas peguei este torpe vicio de usar esta > maquina para registrar minhas idéias. > O mundo anda rodando. Nunca devemos ficar parados. > Vivemos numa sociedade onde quase todos são > excluídos > por vários motivos. Por isso talvez não seja > necessário ter datas especificas para cada coisa. E > a > imprensa fica bem chata nestas datas nem tão > queridas > assim. > Lembro-me de um comício em 1988 com a vice-candidata > à > prefeita de São José dos Campos a Ângela Guadagnim > que > fez um discurso maravilhoso a época sobre as > mulheres > mortas numa fabrica se não me engano na Inglaterra e > agora Ângela foi julgada pela mídia e o povo caiu > igual a um patinho punindo injusta mente a esta > grande > brasileira. Escrevam-me mostrando onde ela teve um > mandato ruim. > Temos que desenvolver um censo critico nas opiniões > comuns que a imprensa tenta nos passar. Jornalistas > não são Deuses nem sempre falam com clareza e > isenção. > Digo isto porque escrevo e conheço nossas falhas > será > que a imprensa é sempre ética e isenta? > Mas não cabe a mim julgar, pois também sou escritor > e > tenho uma coluna semanal há quase dois anos. > Levada a trancos e barrancos. E duro escrever sem > ter > um computador em casa tive esta experiência de ter > um > computador por alguns meses e escrevia quase todo > dia. > E tão delicioso escrever, mas deve ser melhor ainda > publicar um livro solo. Chego lá um dia. Mas > pergunto > quando será o dia do homem? O político e ex poeta > Franklin Maciel me falou que tem uma data destas. > Mas > não disse quando. > A política é importante para uma nação , mas > escritores também o são.Prefiro cultivar as duas > funções.Se bem que com a política sinto que não > mudamos nada. Ela esta atualmente num âmbito pessoal > e > não coletivo as pessoas querem mesmo é se arrumar e > acabam arruinando nossa Nação. > Temos que criar caráter e realmente trabalhar pelo > social. Ate a onde o Partido Verde é ideológico? > Não sei? As ações praticas e pragmáticas que vejo > lembram-me qualquer partido. > Por outro lado as reuniões regionais no Vale do > Paraíba acenam com a construção de uma política > regional. > Mas só vejo jogarem e não escondo que também jogo. > Mais pela diversão que pela perversão. > Quando seremos homens públicos de verdade. Como > diria > Salvador Arnoni precisamos nos reciclar. > Mas irei terminar este texto parabenizando o PV por > ter criado uma cota de trinta por cento de mulheres > nas suas executivas. > Temos que ser mais críticos conosco e com as > instituições a quais participamos. > Se não acontecer isso não se cria uma democracia > participativa de fato. > > > João Carlos Faria